Associação de Dadores de Sangue de Vila Nova de Gaia

fundação:
Junho de 1987
Associação de Dadores de Sangue de Vila Nova de Gaia
contactos

Rua D. Pedro V, nº192 - 3º esq frente
4410-116 Vila Nova de Gaia

Tel. 22 370 14 20
adsanguevngaia@gmail.com

resumo histórico

Associação de Dadores de Sangue de Vila Nova de Gaia

(A vontade que moveu montanhas)

 Em meados dos anos oitenta, apenas existia como organização de Dadores, em Vila Nova de Gaia, a secção de Dadores da Associação de Santa Isabel.

Sentia-se a necessidade, de alargar esta atividade a todo o concelho, mas para o efeito, era aconselhável uma organização com dimensão concelhia e um Serviço de Transfusão de Sangue, que tivesse capacidade para realizar as colheitas.

Houve um acontecimento que precipitou este objetivo. Desde 1971 que tentávamos cooperar com o Hospital de Vila Nova de Gaia, mas iam sempre surgindo empecilhos, até que, em 1987, foi colocada no Serviço de Sangue, como assistente dos dadores, a saudosa Celina Cunha que, contra os conselhos de pessoas deste serviço, ligadas a outros interesses, decidiu contactar o Joaquim Moreira Alves, primeiro via telefone, e depois pessoalmente. Da nossa parte, propusemos uma reunião.

Que se veio a realizar no mês de maio, neste Hospital, com as seguintes entidades:

-Presidente do Conselho de Administração, Dr. Jaime Neto, o Diretor Clínico, Dr. Faria e Almeida (pouco tempo depois Secretário de Estado da Saúde), Dr. José Barroso e a Celina Cunha, do Serviço de Sangue. Em representação do Bispo do Porto, esteve o Diretor do Secretariado Diocesano da Pastoral Social e Caritativa, o saudoso Padre Gabriel Alves. A Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, esteve representada pelo Vereador da Saúde, Heitor Carvalheiras (mais tarde Presidente da Câmara), e em representação da Federação Portuguesa dos Dadores de Sangue, estivemos nós e o Delegado no Porto da Federação, Júlio Amorim.

-Nesta reunião, apresentamos uma proposta com os seguintes pontos:

  1. O Hospital deixava de exigir sangue aos familiares dos doentes, que necessitavam de transfusões, (convém referir que os doentes que iam ser sujeitos a cirurgias, tinham que levar dadores até ás 16 horas da véspera da intervenção);
  2. O sangue que faltava seria assegurado por nós;
  3. Organizar uma campanha que a curto prazo respondesse a todas as necessidades;
  4. Todas as instituições representadas na reunião dariam a sua melhor colaboração.

Esta proposta foi aceite por unanimidade e, de imediato, se passou á concretização destes objetivos que passados alguns meses estavam concretizados.

Junto da Câmara de Vila Nova de Gaia, nos seus jardins, foi inaugurado em 28 de outubro de 2001, um belíssimo Monumento dedicado, a todos os Dadores de Sangue sem exceção.

 

Primeiros Órgãos Sociais da Associação de Vila Nova de Gaia

Ana Pereira da Silva / Bernardino Claro da Costa / Bernardino Santos Almeida / Herminio Duarte Ribeiro / Idália Fernanda da Conceição Baião Pinto / Joaquim Gonçalo Pinto / Joaquim Moreira Alves / Joaquim Rodrigues da Fonseca / José Manuel Domingues Vieira / Júlio da Silva Oliveira / Luís Alberto Macedo Moreira / Manuel Leonardo Santos Silva / Manuel Moreira Pedrosa / Margarida da Conceição Almeida Santos e Rui Alberto Moreira de Sousa Pinto

 

 

simbologia

  O logótipo da Associação é da autoria da Escultora Margarida Santos, o qual significa: Coração cheio de sangue – dá o saudável para o doente. Escrito no coração está a sigla ADS – Associação de Dadores de Sangue de Vila Nova de Gaia.

 

   O Monumento ao Dador de Sangue é da autoria da Escultora Margarida Santos, tem o coração de bronze dentro duma outra forma igual mas oca, rasgada a um sólido quadrangular de perfis triangulares, em pedra polida cor de sangue. Isto para significar que o coração da humanidade está sempre pronto a ser ocupado pelo coração de cada homem solidário. Num apelo à população para que dê sangue.

O coração ficou suspenso sobre um eixo vertical que lhe confere um movimento rotativo. As suas faces são planas, atravessadas pela metade duma mesma gota polida e brilhante, uma lisa representando o coração saudável do dador, e a outra texturada, lembrando o doente que necessita do sangue para continuar a viver com saúde.

 

 

 

eventos e colheitas
Património Nacional
Inauguração do Monumento ao Dador de Sangue, em 28 de outubro de 2001
Colheitas de Sangue
mesa da assembleia geral
  • Presidente - Margarida da Conçeição A. Santos
  • Vice-presidente - Ernesto Rodrigues G. da Silva
  • Secretária - Ana Maria Gomes Tavares Pinto
direção
  • Presidente - Joaquim Moreira Alves
  • Vice-presidente - José Manuel Domingues Vieira
  • 1º Secretário - Eduardo Gonçalves de Almeida
  • 2ª Secretária - Carla Maria Moreira Alves
  • Tesoureiro - Bernardino Claro da Costa
  • Vogal - Américo Alves Silva
  • Vogal - Olimpia Pereira da Costa
  • Vogal - Horacio Pereira da Costa
  • Vogal - José Manuel Pereira Carvalho
conselho fiscal
  • Presidente - Maria Fernandina L. Poças F. Cirne
  • Secretário - José Rodrigues Oliveira
  • Secretário - Joaquim Moura Guedes